5 de fev. de 2017

Medicina digital: a Automação Residencial está redefinindo os cuidados com a saúde domestica


Fonte: Collective Evolution

Voltando algumas gerações para o passado, a humanidade tem procurado usar a ciência e a tecnologia para melhorar as práticas medicinais existentes. Desde os primeiros implementos cruciais até hoje máquinas de diagnóstico avançadas, robôs cirúrgicos e programas de software, máquinas e computadores têm levado a grandes avanços em nossa capacidade de diagnosticar, tratar e gerenciar uma ampla gama de condições de saúde.

Agora, graças aos rápidos desenvolvimentos em ciência e análise de dados, "aprendizado mecânico" e automação, o campo médico está no meio de outra revolução que promete mudar a maneira como cuidamos de nossos corpos, mentes e espíritos.

A Internet das Coisas

Os seres humanos são às vezes esquecidos, irracionais, teimosos e propensos a vários preconceitos e deficiências. No entanto, a explosão de dispositivos poderosos, portáteis e interligados - a repentinamente onipresente Internet das Coisas - começou a mudar fundamentalmente a forma como experimentamos e damos sentido ao nosso mundo.


O crescimento extraordinário de "Big Data", também, alterou a forma como nos comunicamos e nos envolvemos com nós mesmos, nossos entes queridos e nossas carreiras. Nunca antes tantos dados e informações estatísticas estiveram disponíveis tão facilmente, e nunca antes tínhamos as ferramentas para empregar esses dados de forma que compensassem nossas deficiências inatas e melhorassem nossa qualidade de vida.

Cuidados de saúde se tornam mais inteligentes

Em poucas palavras, é esta a mudança mais aparente, ou mais potencialmente gratificante, que tem se mostrado na medicina e nos cuidados com a saúde. Tanto em instalações médicas quanto em casa, estas tecnologias citadas tornam mais fácil do que nunca acompanhar os dados médicos dos pacientes, avaliar suas necessidades específicas e adequar os cuidados ao indivíduo.

Os pacientes que se beneficiam mais são os idosos, os deficientes mentais e físicos, e aqueles que sofrem de condições crônicas debilitantes. Ao aproveitar as novas ferramentas conectadas e eficientes, para estas pessoas, que de outra forma podem lutar para viver uma vida plena e independente, são oferecidas oportunidades e liberdades que antes eram consideradas impossíveis.

A Automação e o controle da Saúde Doméstica

A forma de automação doméstica chamada "domótica assistiva" concentra-se especificamente em tornar possível para os idosos, doentes crónicos e deficientes que permaneçam em sua casa onde se sentem mais confortáveis ​​e seguros, em vez de se mudar para uma instalação de saúde anônima e cara.

Novas opções de saúde "conectadas" incluem:

  • Dispositivos automáticos que ajudam os idosos a gerenciar e lembrar de seus medicamentos.
  • Monitores habilitados para Internet e fechaduras que mantêm controle sobre os pacientes com Alzheimer, alertando os cuidadores para qualquer atividade incomum ou potencialmente preocupante
  • Sistemas completos de automação doméstica inteligente que fornecem controles simples e lembretes para indivíduos autistas que operam termostatos, preparam refeições para que estejam seguros em casa.
  • Inaladores, tanques de oxigênio e outros suprimentos médicos que registram quando e como eles são usados ​​e retransmitem estes dados de volta para o médico do paciente.

Juntos, estes e outros desenvolvimentos na tecnologia médica atual estão criando um ecossistema de saúde "conectado" que ajuda os pacientes a evitar a readmissão hospitalar enquanto são tratados e avaliados em suas próprias casas. Para quem precisa de acompanhamento e assistência médica freqüentes, a Internet de coisas conectadas pode ajudar a sustentar sua independência, proporcionar novas oportunidades para capacitação pessoal e permitir conexões mais profundas com seus cuidadores e comunidades.

Mudanças contínuas no cuidado

Além dos impactos de curto prazo, o crescimento de dispositivos de automação residencial também apresenta a possibilidade de uma mudança de longo prazo em direção ao deslocamento de cuidados fora do ambiente hospitalar e em casas e instalações de vida assistida. Com mais de 40 milhões de pessoas atualmente recebendo algum tipo de cuidados diários nos Estados Unidos e uma população idosa que deverá crescer exponencialmente nos próximos anos, os hospitais e outros estabelecimentos de saúde correm o risco de serem inundados com mais pacientes do que eles podem cuidar.

A capacidade de muitas dessas pessoas para permanecer em suas casas ou instalações sem sacrificar a qualidade dos cuidados é uma promessa enorme, não só no alívio da carga sobre os hospitais, mas em permitir que os pacientes permaneçam em ambientes mais confortáveis ​​e familiares por mais tempo.

A tecnologia também tem o potencial de aliviar alguns dos custos escalonáveis ​​associados com cuidados de saúde, tanto ajudando a prevenir acidentes caros e conectando médicos do paciente a uma ampla gama de dados sobre o uso de medicação, sinais vitais, como freqüência cardíaca e saturação de oxigênio, importantes testes de informações, incluindo glicose no sangue e pressão arterial, acompanhamento da marcha, e muito mais.

Com uma população que é ao mesmo tempo envelhece e está cada vez mais acima do peso, os desafios de cuidados de saúde do futuro serão grandes. Mas as promessas de automação avançada de computadores e tecnologias médicas mais inteligentes fornecem um caminho para um atendimento mais amigável ao paciente e uma maneira para que os indivíduos se envolvam mais ativamente no gerenciamento de seu bem-estar pessoal e em vidas mais longas em geral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Envie seu comentário