10 de jul de 2015

Alto crescimento reflete a democratização da Automação Residencial

Tradução de artigo publicado no site SourceSecurity.com

Há não muito tempo atrás a ideia de automação residencial era estritamente voltada a uma faixa privilegiada da população, os mais ricos. Com custos que chegavam a atingir US $ 100.000 ou mais, o controle de climatização, iluminação, portas e segurança através de uma única fonte simplesmente não estava no orçamento para a grande maioria da população americana.

Isso foi antes, mas agora é uma história completamente diferente. A "casa conectada", em que smartphones e tablets servem como controladores para dispositivos habilitados para a Internet passou para o mainstream. Integradores ainda estão atuando em sistemas de maior complexidade, mas empresas como Apple, Google, Comcast e AT & T se juntaram a outros gigantes da segurança eletronica, como a Honeywell ea ADT na venda de soluções mais acessíveis aos moradores em geral.

Os números apontam para um mercado em expansão. No final de 2016, haverá 44 milhões de domicílios com serviço de "casa inteligente" a nível mundial - contra apenas 9 milhões no final de 2014. Espera-se que estes serviços produzam uma receita de cerca de US $ 5 bilhões por ano, de acordo com Rawlson O'Neil King, Diretor de CABA.

As reduções no custo estão colocando a domótica ao alcance de um maior número de pessoas.Os custos caíram mais de 50%. Ainda é um valor considerável, mas está se tornando viável se planejado durante a aquisição ou construção da casa.

Integradores de automação também estão tomando emprestado soluções da indústria da segurança, oferecendo hardware como um chamariz para aumentar a receita decorrente de taxas mensais de serviço.

"Esta nova oferta é a adição de mais valor agregado para o consumidor, pois eles tendem a ser mais inclinados a adquirir sistemas mais integrados", explica King. "Eles também são mais propensos a continuar pagando por esse sistema ao longo do tempo do que se fosse simplesmente um alarme, que está ficando cada vez mais comoditizado todos os dias."

As companhias de cabeamento e de telecomunicações também começaram a adicionar automação residencial para as suas outras ofertas de produtos. Eles começaram com monitoramento de segurança e mais recentemente têm adotado a mistura com automação residencial.

"Os prestadores de serviços neste espaço são predominantemente empresas de segurança de monitoramento de alarme com foco no segmento residencial do mercado", diz Alper Cetingok, Diretor Geral e Chefe de Segurança, Defesa e Governo Serviços.

Estas empresas têm alcançado taxas de penetração de mercado de cerca de 20 por cento dos domicílios dos EUA. Com um mercado tão grande, essas empresas têm uma oportunidade perfeita para expandir suas ofertas e aumentar o seu valor para os clientes existentes, de acordo com Cetingok.

"Se você ouvir alguns prognósticos do mercado, eles sugerem que a introdução de casa inteligente tem o potencial de aumentar as taxas de penetração de mercado de cerca de 40 por cento - uma duplicação do mercado endereçável", acrescenta.

Domótica como um produto e serviço não é nada novo. Só a CABA já promove isto há mais de 25 anos.

"A principal diferença agora é o fato de que a tecnologia é mais penetrante", diz King. "É mais difundida por causa da rápida expansão do acesso à Internet de banda larga - especialmente nas grandes áreas urbanas. Em seguida, automação residencial tem, talvez, seu maior impulso com o surgimento dos smartphones.

Estes computador de bolso feito sob medida poderia fazer mais do que apenas fazer chamadas e receber e-mail. Eles também permitiram que as tecnologias baseadas em aplicativos que efetivamente colocar o controle na mão de todos. Essa tem sido a chave para democratizar automação residencial e criar a Smart Home para quase todos.

(por Randy Southerland)


Nenhum comentário: